Ritmo poético de Iracema pode ser inspirado na Bíblia

Estudo mostrou que a similaridade encontrada entre os dois textos ajuda a criar um clima de heroísmo na narrativa de José de Alencar

Imagem: pintura de Antonio Parreira (1909) que retrata Iracema na praia

O que o livro Iracema, de José de Alencar, e a Bíblia Sagrada têm em comum? Por mais surpreendente que pareça, vários aspectos. Essa foi a descoberta feita pela pesquisa realizada em 2017 no Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Fernando Paixão foi à França trabalhar na comparação entre dois livros tão importantes para o mundo.

Sair do senso comum foi o segredo para o sucesso da investigação. O clássico brasileiro sempre foi analisado por seu viés indianista e nacionalista da fase do Romantismo no País. Muitas descobertas foram feitas em cima desses pontos de análise do livro, então Paixão resolveu seguir um caminho diferente. “Eu quis deixar um pouco de lado essa discussão que já é exaustiva para estudar a forma, o ritmo e a composição das imagens do Iracema”, confessa o autor.

Ritmo — segundo o teórico francês Henri Meschonnic, que inspirou a pesquisa de Fernando — não se baseia no conceito binário utilizado na análise da literatura: forma e conteúdo; significado e significante. Para Meschonnic, ritmo é uma ideia de totalidade, algo que é particular de cada autor e que deve ser analisado para o texto como um todo, por alterar a forma de compreensão da narrativa e o papel que da o